Herunterladen

Entfernung

18,48 km

Höhengewinn

441 m

Schwierigkeitsgrad

Mäßig

Höhenverlust

441 m

Max. Höhe

471 m

Trailrank

55

Min. Höhe

127 m

Trail Typ

Rundkurs

Fahrzeit

4 Stunden 43 Minuten

Zeit

6 Stunden 54 Minuten

Koordinaten

2711

Hochgeladen

5. Juni 2021

Aufgezeichnet

Juni 2021
Klatsche als Erster
Teilen
-
-
471 m
127 m
18,48 km

angezeigt 46 Mal, heruntergeladen 4 Mal

bei Almendra, Guarda (Portugal)

Percurso pedestre não sinalizado, com início em Almendra:

As origens de Almendra devem remontar à Idade do Ferro. devendo a área envolvente da Igreja Matriz ter constituído um núcleo fortificado no I milénio antes de Cristo. Numa área para Norte da mesma Igreja, no denominado «Chão do Morgado», consta ter existido um castelo ou fortificação que se julga ser medieval ou tardo-medieval. Foram encontrados muitos vestígios (pedra de aparelho, fragmentos de tégula, imbrices e dolium), que comprovam a existência de uma «Villa Romana» ou de uma «vicus». Outros vestígios de Villae romanas ou simples casais encontram-se espalhados pelo termo de Almendra.

A partir da era Paleocristã o templo romano (pagão) pode ter dado lugar a um templo cristão, a uma pequena igreja sita no mesmo local onde se encontra hoje implantada a Igreja Matriz (de traça muito mais antiga do que a data inscrita por cima do portal), sendo as lacunas documentais muito grandes.

O nome Almendra indica nitidamente a ocupação árabe, desconhecendo-se o topónimo antes da influência árabe. Ainda que subsistam algumas dúvidas é normalmente dada como certa a localização da antiga Caliábria nas imediações de Almendra. A Caliábria era, em 569, paróquia da diocese de Viseu. Nos alvores do século VII, durante o período visigótico, constituiu-se um bispado que virá pouco depois com as invasões árabes a desaparecer, tendo passado para Ciudad Rodrigo. O seu último bispo S. Zenão teria sido morto pelos árabes cerca de 717.

Dos calabrienses célebres conhece-se o cruzado Bertoldo, fundador da Ordem dos Carmelitas. A existência da sede de um bispado é prova de que a região alcançou ao longo do século VII grande importância social e económica com as correspondentes trocas comerciais e culturais que tal facto acarretava.

Almendra e Castelo Melhor, mesmo após terem passado para a posse de Portugal com D. Dinis, permaneceram em termos religiosos dependentes de Leão, uma vez que o bispo de Ciudad Rodrigo manteve o domínio espiritual sobre a região de Cima-Côa até 1404.

Em 960, o Castelo de Almendra pertencia a D. Chama, ou Châmoa, que o entregou à Condessa Mumadona, sua tia, fundadora do convento vimaranense. No século seguinte, em 1059, o castelo de Almendra continuava ainda a pertencer ao mesmo mosteiro. Nos fins do século XII muda de proprietário, surgindo, em 1183, entre os bens da Ordem Militar do Pereiro, numa Bula do Papa Lúcio III. No século seguinte, por volta de 1270, Almendra já era vila e foi doada a D. Gil Martins, pai de D. Martim Gil, mais tarde alferes-mor de D. Dinis.

O estatuto de vila não foi pacífico, uma vez que em 1298, o concelho de Castelo Rodrigo irá contestar a autonomia de Almendra por a considerar integrante do seu termo. Segue-se um período de conflito entre Castelo Rodrigo e D. Gil Martins, que irão recorrer alternadamente das sentenças do monarca. Finalmente, em 1312, Castelo Rodrigo obtém uma sentença favorável que lhe permitiu englobar de novo Almendra no seu termo. A integração em Castelo Rodrigo durará apenas algumas décadas, pois ainda no século XIV Almendra retomará a condição de concelho. Em 1358, D. Pedro I confirma-o, o mesmo tendo feito D. Fernando, em 1367, mas este mesmo rei, em 1370, reintegrará Almendra no concelho de Castelo Rodrigo, ainda que denominando-a de julgado, o que pelo indica a existência de jurisdição própria sob juiz de nomeação régia.

Em 1383 Almendra recuperou a autonomia, que será confirmada por D. Afonso V, em 1449, sob a designação de concelho de Almendra e Castelo Melhor. D. Afonso V autoriza, por carta de 6 de Junho de 1441, a realização de uma feira anual com a duração de 3 dias, da véspera de Santa Maria, em Setembro, até ao dia imediato. D. Manuel I concedeu foral novo a Almendra em 1 de Junho de 1510.

Almendra deve ter mantido ou mesmo aumentado a sua importância ao longo do século XVI, pois só no reinado de D. João III foram passadas 13 cartas a nomear outros tantos tabeliães. É ao longo deste século que são construídos alguns dos principais edifícios religiosos. Nos séculos XVII e XVIII foram seus donatários os Condes de Castelo Melhor, que eram proprietários dos ofícios públicos e tinham ainda poder para fazer eleições e confirmá-las.

Ainda no século XVIII existe médico local, proporcionando melhores condições de combate à doença entre os Almendrenses. Finalmente, em 1855 foi extinto o concelho de Almendra, na época composto pelas freguesias de Castelo Melhor, Algodres, Vilar de Amargo e da própria freguesia de Almendra.

(texto da wikipedia)

Sítio Arqueológico da Penascosa:
O núcleo da Penascosa que é composto por 36 rochas gravadas, 25 delas
com motivos paleolíticos, estendendo-se desde a zona da praia até ao cimo
do monte que dá nome ao sítio. As rochas gravadas organizam-se em dois
grandes conjuntos, um na zona norte da praia, caracterizado sobretudo pela
representação de cervídeos incisos e outro a Sul, com todas as espécies
presentes na arte do Côa figuradas.

Desde Castelo Melhor até Almendra, seguimos as marcações da Grande Rota do Coa.


Outros percursos que fiz na Região:
Calçada de Alpajares (calçada do Diabo) (11-04-2009)
Almofala a Santo André das Arribas (12-04-2009)
Rota dos Túneis (Barca d'Alva - Fregeneda) (08/04/2012)
Badamalos - Ponte de Sequeiros - Valongo do Coa
Vilar Maior (Castelo)
Almendra - Penascosa - Castelo Melhor
Castelo Rodrigo
Cidadelhe - Faia Brava
Marialva
Denkmal

Solar do Visconde de Almendra / Solar dos Viscondes do Banho

Casa de Almendra / Solar dos Viscondes do Banho O Solar do Visconde de Almendra ou Solar dos Viscondes do Banho é um solar ou palácio barroco que albergou, por muitos anos, os viscondes de Almendra e, por casamento, os viscondes do Banho. O edifício palaciano, exemplo ditoso da arquitectura setecentista do interior português, localiza-se em Almendra, em Vila Nova de Foz Côa. Testemunho das vivências de muitas gerações de nobres ilustres, foi última habitante do solar Márcia Augusta de Castilho Falcão Mendonça de Morais Sarmento, filha mais nova do 3º Visconde do Banho. Actualmente, o palácio de Almendra pertence aos herdeiros de Márcia Augusta. O palácio, edifício de dois pisos, conserva o seu austero estilo barroco que se revela nas janelas «rocaille», com as típicas vieiras invertidas, e a marcante varanda com balaústres. O brasão de armas da ilustre família, enquadrado por um frontão curvilíneo, permanece em cima da varanda. Curiosamente, o brasão nunca foi devidamente terminado de esculpir, sendo no entanto evidente o coronel de Marquês. (texto retirado da wikipédia) Edificada no século XVIII, esta casa é considerada um dos melhores exemplos da arquitetura civil barroca. Construída em granito, apresenta uma decoração rococó concentrada nas janelas e na porta principal. Esta construção denota elementos da construção barroca do Douro, influenciada por Nicolau Nasoni. No início do século XIX, instalaram-se aqui as tropas napoleónicas, incendiando depois o edifício em 1810, quando se retiraram. A partir de 1895 sofreu uma reconstrução parcial, por iniciativa do 3º visconde do Banho.
Sakralbau

Capela de Nosso Senhor dos Passos

Capela de Nosso Senhor dos Passos
Sakralbau

Igreja Matriz de Almendra ou Igreja de Nossa Sra. dos Anjos

Igreja Matriz de Almendra ou Igreja de Nossa Sra. dos Anjos
Foto

Pormenor do Percurso

Pormenor do Percurso
Sakralbau

Alminhas

Alminhas
Foto

Pormenor do Percurso

Pormenor do Percurso
Foto

Foto - Panorama

Foto - Panorama
Foto

Pormenor do Percurso

Pormenor do Percurso
Foto

Pormenor do Percurso

Pormenor do Percurso
Aussichtspunkt

Vista para o Rio Coa

Vista para o Rio Coa
Ruine

Ruínas junto à Ribeirinha

Ruínas junto à Ribeirinha
Ruine

Ruínas junto à Ribeirinha

Ruínas junto à Ribeirinha
Foto

Pormenor do Percurso

Pormenor do Percurso
Foto

Pormenor do Percurso

Pormenor do Percurso
Fluss

Rio Coa

Rio Coa
UNESCO-Welterbe

Gravuras Rupestres da Penascosa

Gravuras Rupestres da Penascosa
UNESCO-Welterbe

Gravuras Rupestres da Penascosa

Gravuras Rupestres da Penascosa
UNESCO-Welterbe

Gravuras Rupestres da Penascosa

Gravuras Rupestres da Penascosa
UNESCO-Welterbe

Gravuras Rupestres da Penascosa

Gravuras Rupestres da Penascosa
Fluss

Rio Coa

Rio Coa
UNESCO-Welterbe

Gravuras Rupestres da Penascosa

Gravuras Rupestres da Penascosa
UNESCO-Welterbe

Gravuras Rupestres da Penascosa

Gravuras Rupestres da Penascosa
Fluss

Rio Coa

Rio Coa
Aussichtspunkt

Vista para vale do Coa

Vista para vale do Coa
Aussichtspunkt

Vista para vale do Coa

Vista para vale do Coa
Aussichtspunkt

Vista para a Quinta de Ervamoira

Vista para a Quinta de Ervamoira
Foto

Vista para a Quinta de Ervamoira e Rio Coa

Vista para a Quinta de Ervamoira e Rio Coa
Foto

Pormenor do Percurso

Pormenor do Percurso
Foto

Pormenor do Percurso

Pormenor do Percurso
Aussichtspunkt

Vista para o Castelo de Castelo Melhor

Vista para o Castelo de Castelo Melhor
Informationspunkt

Painel Informativo - Grande Rota do Coa

Painel Informativo - Grande Rota do Coa
Foto

Castelo Melhor

Castelo Melhor
Wegpunkt

Castelo Melhor - Junta de Freguesia

Castelo Melhor - Junta de Freguesia
Verpflegung

Snack-Bar Domingues

Snack-Bar Domingues
Sakralbau

Igreja de Castelo Melhor

Igreja de Castelo Melhor
Straßenkreuzung

Painel Informativo - Grande Rota do Coa

Painel Informativo - Grande Rota do Coa
Sakralbau

Igreja de Castelo Melhor

Igreja de Castelo Melhor
Burg

Vista para o Castelo de Castelo Melhor

Vista para o Castelo de Castelo Melhor
Wegpunkt

Painel Informativo - Grande Rota do Coa

Painel Informativo - Grande Rota do Coa
Wegpunkt

Quinta

Quinta
Foto

Pormenor do Percurso

Pormenor do Percurso
Foto

Pormenor do Percurso

Pormenor do Percurso
Foto

Pormenor do Percurso

Pormenor do Percurso
Denkmal

Pelourinho de Almendra

Pelourinho de Almendra
Wegpunkt

Busto do Rei D. Manuel

Busto do Rei D. Manuel
Foto

Almendra - casas típicas

Almendra - casas típicas
Wasserstelle

Fonte Grande

Fonte Grande
Wegpunkt

Solar - Rua da Fontainha

Solar - Rua da Fontainha
Sakralbau

Capela de Nosso Senhor dos Passos

Capela de Nosso Senhor dos Passos
Wasserstelle

Chafariz no Largo da Amoreira

Chafariz no Largo da Amoreira

Kommentare

    Du kannst oder diesen Trail